Segunda-feira, 24 de Março de 2008

Desafio nº13 – Afinal o sexo não é igual para todas!

O.K. Já todas sabíamos isto mas se por acaso leram os comentários ao meu desafio anterior acredito que tenham ficado tão surpreendidas como eu.
Umas com muito, outras com pouco!
Porque quem tem uma vida sexual chata, monótona e rotineira, não faz comentários, não diz nada.
Para quê? É daquelas situações a que as mulheres se habituam, como aliás nos acomodamos a muita coisa: as rugas, a flacidez do corpo, o desalento quando nos olhamos ao espelho, etc. e tal.
Claro que hoje em dia, para quem não se quer resignar à passagem do tempo, há sempre a hipótese de recorrer à cirurgia plástica, que se paga em suaves prestações, como quem compra um frigorifico novo.
Podem pensar que me estou a desviar do assunto, mas não.
Se pensarmos bem, se olharmos para nós e à nossa volta, facilmente verificamos que, exceptuando as mulheres que assumem o sexo da mesma forma que os homens sempre o fizeram, separado do amor, sobram todas as outras.
E o grande desafio está em manter a chama acesa, a libido a funcionar.
Ora quem aterra na cama, exausta ao fim de um dia de trabalho, é normal que lhe apeteça tudo menos...
É agora que partilho convosco algo que aconteceu na Feel Woman, a feira das mulheres da qual fui uma vez mais a embaixadora.
Para divulgar o evento estive em vários programas de televisão. E um dos temas que veio à baila foi a presença de uma sex shop.
Durante os três dias que duraram a Feel Woman, não imaginam quantas mulheres, a maioria com mais de quarenta anos, se dirigiu a mim perguntando-me de mansinho: “Onde está a tal loja? Aquela, sabe do que falo?”
Pois. Agora pergunto-vos eu, quantas de nós, já visitaram uma loja destas?
As jovens fazem-no, e descobri que inclusivamente compram muita coisa pela Net.
Mas para todas as outras mulheres, é difícil arranjar coragem para transpor a porta de uma destas lojas.
E na verdade, daquilo que vi, a escolha de produtos é mesmo muito interessante.
Até pode ser que o creme para a estimulação do clítoris, à base de plantas, não dê resultado. E o creme para o corpo que estimula os centros sensoriais, também não.
Mas o importante é o acto da compra. É a vontade de mudar alguma coisinha na nossa rotina sexual.
É dar uma facadinha na rotina, já que nem todas estamos dispostas a ter sexo no elevador com o vizinho do lado.
Digam de vossa justiça e até para a semana.
 
 
 
 
 
publicado por Luísa Castel-Branco às 09:49
link do post | comentar | favorito
10 comentários:
De Rafael a 24 de Março de 2008 às 11:26
Bom dia :).

A procura de acessórios sexuais por parte das mulheres é algo que já vem do século passado(!... sem pensar noutro tipo de culturas e sociedades que também poderiam ser analisadas). Basta nos lembrarmos do seguinte:

1- No início do século passado, 3 em cada 5 idas ao médico por parte das mulheres, tinham como objectivo a masturbação da mulher por parte do médico.
2- No início do século passado, o electrodoméstico mais vendido era o vibrador.

A evolução do vibrador teve precisamente origem no facto dos médicos estarem tão fartos de masturbações femininas, que começaram a inovar, criando máquinas para optimizar esse procedimento. Investiguem na internet e conheçam essas invenções. São máquinas bastante particulares :).

E que concluir sobre estes factos? O importante é pensar sobre eles livremente.

Bom início de semana,

Rafael :)


De Paula a 25 de Março de 2008 às 23:00
Olá. Tenho 29 anos e estou agora a descobrir o amor e o sexo. Até hoje nunca tinha tido nenhuma relação porque nenhum homem se tinha dado ao trabalho de olhar para mim por dentro e por fora. O meu namorado fez isso e com isso tem ganho a minha entrega gradual. Para já é tudo muito interessante para ambos e às vezes questiono-me se quando eu perder a minha virgindade as coisas vão continuar a ser interessantes ou se este sentimento de descoberta mútua vai dar lugar a algo rotineiro. Às vezes tenho medo disso, por isso até gosto que esta fase se vá prolongando.


De c.a. a 28 de Março de 2008 às 15:47
cara luísa,
de quando em vez dou uma "lida" nos seus desafios q acho interessantíssimos...o nº13 n poderia deixar de comentar, sendo o tema q é, pois aqui ficam alguns pontos q gostaria de lançar/comentar...

sex shops são benéficas no combate à rotina? n concordo, qd se instala a rotina é pq algo de mais profundo está a minar a relação e n é c acessórios e briquedos q a coisa pega!

qd olhamos pro espelho e n gostamos do q vemos aí sim a porca torçe o raio do rabo...falo p mim q ja tive um corpo de fazer suster a respiração q foi bem abalado c a gravidez...de momento, com 36 anos e um filho de 3, estou a travar uma luta contra a flacidez e o parvo do pneu q teima em não largar a minha bela barriga q graças a Deus não apanhou c/ nenhuma estria!! valha me ao menos isso!

a minha vida sexual desde então desacambou completamente pq olho e n gosto do q vejo, já o meu marido n se importa nada q eu esteja mais mole e menos definida ....mmo assim, n consigo abstrair me desta nova condição e zás pra líbido q foi n sei pra onde...

é negraçado q mtas vezes sonho q tenho o corpo de miss q já tive antes e q me entrego à paixão sem complexos nem traumas e isso basta me pq qd acordo n tenho mais tempo pra nada disso!!

e cm diz a rita lee:
"sexo sem amor é amizade?" ui ui n concordo já o tive e deu pro torto e a amizade foi se!

...e fantasiar c o vizinho acho q é uma coisa q calha a tdas p menos uma vez na vida!

ai, olhe, só sei q neste momento n há lugar pra sexo na minha vida!! e eu tb n lhe sinto grande falta, a verdade seja dita!!

bolas bolas bolas!!será q isto passa?

bem... ponto final nas minhas divagações p hoje!

soube me bem o dasabafo!!

e ...vou voltar!!

td de bom!

c.a.




De Paulo Silva a 7 de Abril de 2008 às 02:09
Sou gerente de uma sex shop online 1001noites.com ) e nos últimos anos tenho assistido a um aumento muito significativo nos clientes do sexo feminino que em 2000 era cerca de 10% e agora já passa dos 30%


De bb a 18 de Abril de 2008 às 21:22
Olá Luisa !

Gostei muito deste artigo, tal como de outros que tenho lido.

Nos dias que hoje correm, ainda há muitas mulheres insatisfeitas sexualmente e não será apenas pelo facto de desconhecerem a existencia das sex shop e dos objectos que lá se vendem.

A educação que as mulheres e os homens portugueses recebiam até à bem pouco tempo, eram os responsáveis por essa insatisfação.

Posso dar o meu exemplo, tenho 45 anos, com um casamento de 28 anos. Exactamente 28 anos. Apenas conheci um homem em toda a minha vida o que fez com que a minha experiência no campo sexual seja muito diminuta. O facto de ter um marido, demasiado moderno, mas também demasiado exigente e critico, tem feito com que todas a minha vida sexual seja uma permanente insatisfação. Quando digo demasiado moderno, refiro-me não só ao facto de ele gostar muito de jogos sexuais, mas sem ter em consideração os meus desejos, assim como ao facto de estar aberto e fazer muita pressão para juntar à nossa relação outras pessoas, ao que eu me tenho oposto.

Isto vai parecer mais uma confissão, mas gostaria muito que a Luisa momenta-se este "comentário.

Beijinhos ternurentos da BB


De maria a 21 de Abril de 2008 às 10:20

Cara Luísa,

Concordo consigo quando diz que o diálogo é crucial entre homem e mulher. Falar sobre sexo e desejo é tão importante como fazê-lo. No entanto, há muitos, muitos homens que não permitem, por medo e desconhecimento, esta abertura por parte da mulher. Por outro lado, a mulher tem de deixar de ser tão crítica em relação a si própria e ás outras mulheres. Muitas vezes somos o nosso pior inimigo.

Como mulher, eu quero sentir plenamente o meu corpo, sem receio de ser abafada. O sexo no feminino é lindo.
Cada casal, falando, descobrirá o que é melhor para si. Para muitas mulheres é difícil atingir o orgasmo através da penetração. Há outras soluções, nomeadamente o uso de um vibrador, que pode ser usado com a ajuda e carinho do parceiro.
Tenho um relacionamento muito feliz e gratificante. Falámos sobre sexo, debatemos os nossos limites e desejos, com respeito e igualdade.
Não vivo em Portugal e o meu namorado não é Português.
Tenho a certeza que em Portugal há homens e mulheres abertos ao amor, mas também sei, por experiência própia, que muita mulher em Portugal merece bem melhor: amor, mãos dadas, carinho, respeito, orgasmos, importância, visibilidade.

Boa-sorte para todas as mulheres no caminho da descoberta.

Maria



De SUSANA a 28 de Maio de 2008 às 12:12
ACHO QUE TODAS AS MULHERES INDEPENDENTEMENTE DA SUA IDADE OU ATÉ MESMO RELIGIÃO SE DEVERIAM LIBERTAR EM RELAÇÃO AO SEXO E DEIXAR DE PENSAR O QUE OS OUTROS VÃO DIZER DE MIM PELO FACTO DE EU DAR A FACADINHA NA ROTINA OU ATÉ MESMO DE DESEJAR OUTRO HOMEM QUE NÃO O SEU MARIDO. POR VEZES PERDEM GRANDES MOMENTOS NA VIDA E TUDO POR NÃO SE CONSEGUIREM LIBERTAR DA SOCIEDADE QUE NÓS VIVEMOS E CRIÁMOS. INCLUINDO-ME A MIM PRÓPRIA.


De Luísa Castel-Branco a 28 de Maio de 2008 às 23:42
Susana, Nem tudo o que luz é ouro! Acredite na experiência de vida, passado uns tempos os problemas repetem-se, outro tipo de rotina vem, ou então damos mais do que queríamos e não recebemos em troca. Se uma relação está em crise só existe uma solução: falar a dois sobre o assunto. Sei que não um sugestão fácil porque eles são avessos a conversas mas...quer apostar que na próxima relação vai chegar ao mesmo ponto? Quanto às facadinhas no casamento, só resultam para um tipo de mulher: aquela que faz sexo por sexo, Já aqui tive depoimentos de mulheres que pensam e agem assim. Convém também que os respectivos sejam distraídos ou cegos por vontade propria!


De Eu! a 26 de Junho de 2008 às 13:21
Conheci uma mulher de 32 anos. Sou a sua primeira namorada, ela nunca tinha dado sequer um beijo na vida... Já nos encontramos algumas vezes, vivemos em países diferentes, por isso não podemos estar sempre juntinhas como queríamos. Na última vez que estive com ela, fomos de compras e passamos por uma sex-shop . Na brincadeira, disse para entrarmos, foi mais para ver a reacção dela! Ela acabou por dizer que se eu queria entrar, tudo bem por ela! Não o fizemos porque tenho medo de ir demasiado depressa para ela. Como ela só está a descobrir agora o sexo e ainda não está (sinto eu) plenamente à vontade mas tem aquele desejo de saber, conhecer e descobrir... Tenho medo de a assustar, de ser demais para a pouca experiência dela. Às vezes tenho medo de ir depressa demais, outras devagar demais. Gosto tanto dela e sei pela minha experiência que as iniciações sexuais são sempre complicadas, estou a tentar ser calma e explicar-lhe o que está a acontecer, o que vai acontecer...
Será que tenho de ser tão "professora"? Será que isso é melhor para ela? Eu quero acreditar que sim.
Como ainda nos estamos a conhecer sexualmente, não estou com muitas pressas em entrar numa sex-shop , mesmo porque para mim esses objectos, embora me despertem curiosidade e interesse, tenho receio de ao experimentar não goste ou de ela também os poder rejeitar de alguma forma.
Prefiro ir com calma....

Qual a sua opinião?
Este espaço é muito interessante! Parabéns!


De Minie a 3 de Setembro de 2008 às 17:14
Cara Luísa
é a primeira vez q visito este blog e foi por estar num dia morto no trabalho e andei a null " pela net .
neste momento passo uma crise complicada na minha relação, namoramos a 1 ano e vivemos juntos a uns 9 meses...mudamos de casa, de cidade e de emprego os 2 p tentarmos uma vida melhor, a 2.
[Error: Irreparable invalid markup ('<br [...] <a>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

Cara Luísa <BR>é a primeira vez q visito este blog e foi por estar num dia morto no trabalho e andei a null " pela net . <BR>neste momento passo uma crise complicada na minha relação, namoramos a 1 ano e vivemos juntos a uns 9 meses...mudamos de casa, de cidade e de emprego os 2 p tentarmos uma vida melhor, a 2. <BR class=incorrect name="incorrect" <a>dps</A> de um mês na vida nova, ele diz q n me ama como antes e q n é feliz comigo...mas n null q me vá embora. <BR class=incorrect name="incorrect" <a>dps</A> de null conversa e discussão e lágrimas decidimos os 2, dar uma nova oportunidade, juntos p q as coisas fiquem bem. <BR>a "nossa grande guerra" é o facto de eu n me entregar a 100% a nível sexual....raramente tinha a iniciativa. e entramos numa rotina em q entramos os dois em ruptura, eu de uma forma e ele de outra. <BR><BR>ando a lutar,lutar,lutar ....virei leoa. <BR>nunca acreditei nos amores p a vida, nem em escolher o homem p a nossa vida...mas tinha-o como segurança, e afinal ele n é um dado adquirido, n é MEU.... <BR><BR>BEM, isto foi mais um desabafo q qlq outra coisa... <BR><BR class=incorrect name="incorrect" <a>qlq</A> mulher gosta e sente vontade de ter sexo, qd isso lhe da prazer...se somos retraídas e "mosquitas" nem temos nos prazer nem lhe damos a ele/ela. <BR><BR>o facto de eu ser retraída e inibida tanto tempo, pode ter sido crucial no meu "porto de abrigo"....claro q acordei p a vida n é..... <BR><BR><BR>


Comentar post


Vox pop - E viva Campo de Ourique e as histórias felizes!

Fui lá armada em esperta. A intenção era saberm se aquelas mulheres que ali trabalhavam no Mercado de Campo de Ourique tinham sequer sabido da comemoração do Dia Internacional da Mulher.

E não é que todas, apenas uma excepção, tinham recebido presentes, eram casadas há mais anos do que imaginamos que ainda existam casamentos em Lisboa ?!

Toma lá Luísa para aprenderes!

posts recentes

Pois é, vem ai o Natal!

raquel disse sobre A dor ...

Ana Paula disse sobre Des...

Importa-se de repetir????...

Paula disse sobre Virgem ...

Sara disse sobre Virgem a...

Maria disse sobre Diário ...

Alexandra disse sobre DES...

sara disse sobre Negas a...

? disse sobre Diário de u...

Obrigada Maria

Negas ao sexo? Cuidado av...

Sobreviver a 2009

coisas q eu quero mudar e...

Sofia Diniz disse sobre A...

tags

todas as tags

arquivos

Dezembro 2011

Fevereiro 2010

Novembro 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

pesquisar

 
blogs SAPO

subscrever feeds