Quarta-feira, 19 de Dezembro de 2007

Desafio nº8 - Coisas que eu quero mudar/alcançar em 2008

do Natal ao Ano Novo é um pulo.
Um salto cansativo mas esperemos que gratificante, principalmente se conseguirmos diminuir drasticamente dentro do nosso coração a presença daquelas situações que nos incomodam e nos azedam as festas!

 

 Mas perante um novo ano, é altura de fazermos a lista daquilo que queremos mesmo mudar.
E não deite fora o dito papelinho porque pouco a pouco, ou quiçá daqui a um ano, pode verificar por si mesma o que foi capaz de fazer, e o que ficou ainda por alcançar.

Como sempre, vou dar-vos a minha lista (são vocês que me obrigam a este exercício e por isso vos agradeço, senão era demasiadamente cobarde para o fazer!). Aqui vai:

 

Coisas que eu quero mudar/alcançar em 2008

 

  1. Perder peso – Ok. Não suporto ver-me ao espelho por isso nada de dietas milagrosas que não tenho saúde para isso. Mas pelo menos uma dieta equilibrada, comer no máximo de três em três horas, evitar as gorduras e etc. e tal.
  2. Fazer exercício físico – Para mim é mesmo uma violentação, porque exceptuando nadar, tudo o resto é um sacrifício. Porque raio deixei eu o cabelo crescer? Não há toca de piscina que não molhe a cabeleira! Em vista disto tudo e da minha natural preguiça, que tal fazer aquilo que todos os médicos recomendam: andar a pé? Também exige disciplina mas é mais fácil!
  3. Aprender a organizar o meu tempo – Sou uma desgraça! Reconheço humildemente que me perco nos meus pensamentos, no meio de papéis e mais papeis, por entre projectos começados e nunca terminados. Chego ao fim do dia com uma sensação de culpa terrível porque me faltou fazer tanta coisa e perdi tempo sem sabe aonde!
  4. Aprender a gostar de mim – Façam o favor de não rirem, mas este ponto é mesmo muito importante e verdadeiro. A idade tem que se lhe diga e isto de a partir dos 46 anos ver a minha cara no écran ou nas fotos, é um susto. Mas tenho a certeza que o mesmo acontece um pouco com todas as outras mulheres. É chegado o momento de aprendermos a gostar de nós mesmas pelo que já alcançámos até agora, pelo ser humano que somos, enfim, aceitar o espelho e o nosso coração.
  5. Aprender a dizer NÃO – Passamos a vida a fazer coisas, compromissos, a engolir palavras, a cumprir obrigações, eu sei lá, a lista é imensa. E a maior parte das vezes sabemos que não vamos ter reconhecimento nenhum, podemos até ser mal interpretadas, estamos a gastar energias em vão.
    Mas a nossa educação fomentou em nós desde muito novas o sentimento de culpa. E é um peso enorme que transportamos todos os dias.
    Mas a verdade, é que temos direito ao nosso próprio tempo, às nossas horas de lazer, ou de sonho, ou de fuga ou seja lá o que for. E de dizer NÃO quando temos que fazer algo que é uma violentação!
  6.  Abraçar aquele sonho impossível – Já falamos anteriormente sobre isto. Seja que sonho for: pintura, musculação, teatro, dança, não interessa. O que realmente importa é darmos a nós próprias o direito de sonhar e executar esse sonho, mesmo que não tenha mais-valias para ninguém, a não ser para nós mesmas.
  7. Procurar a paz interior – Dito assim até parece estranho mas passo a explicar. No fim, este desejo prende-se com o peso da realidade, das responsabilidades, do tal complexo de culpa. Mas para mim, acima de tudo tem a ver com o optimismo que me falta.
    Olho para as coisas de forma sempre negativa e como diz o tal livro “O Segredo” e já agora como sempre o disse o povo, esta é a forma mais errada de estar na vida. Li a definição que alguém (terá sido o Lobo Antunes?) deu sobre ser pessimista: “Eu não sou pessimista. Sou um optimista esclarecido” Quero mesmo deixa de ser esclarecida e aprender a saborear um dia de cada vez e mais nada!
  8. Saber como alimentar o Amor e a Amizade – Talvez eu até o saiba, e todas nós, mas muitas vezes esquecemo-nos. Damos por adquirido aquilo que temos e não dizemos vezes suficientes às pessoas que amamos o quanto são importantes para nós.  
  9. Ser amável comigo mesma – Quando os meses começarem a correr, e eu voltar a olhar para esta lista, e verificar que não alcancei tanta coisa, lembrar-me de ser amável comigo mesma e perceber que sou apenas um ser humano, com capacidades por vezes limitadas, e muitas vezes erro mais do que acerto.
  10.  Aprender a distinguir o que pode ser alterado, aprender a aceitar o que não tem solução, saber distinguir

É. Parece fácil mas não é. Em vez de lutar contra moinhos de vento, um pouco de bom senso e introspecção talvez evitem muitas das cabeçadas que vou dar em 2008!

tags:
publicado por Luísa Castel-Branco às 12:37
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
Segunda-feira, 17 de Dezembro de 2007

Desabafo

Cara Luísa .
 Em primeiríssimo lugar gostaria de agradecer por estar lendo meu pequeno desabafo.
Sou brasileira e casada com um português .
  Tive grandes problemas em me adaptar cá em Portugal . As pessoas, o clima, tudo isso é muito diferente de onde morava,
Tentei por um ano e meio conseguir um emprego no quer que fosse pois,   já estava farta de não fazer nada,  sempre fui uma pessoa activa e positiva, sempre trabalhei com o publico pois, gerênciei por muitos anos uma loja de confecções.
 Entretanto apenas conseguir um emprego como empregada de balcão, foi assustador... não pelo o trabalho que tinha, mas por tudo aquilo que passei durante o tempo que estive neste emprego, Então resolvi pedir um empréstimo e montar meu próprio negocio, nada de muito grande mas uma coisa em que eu pudesse controlar e dizer;... Estou fazendo por mim e pelos os meus!
 Mas no entanto até o momento não estar sendo nada facil, estou numa tristeza profunda devido a tudo que tenho enfretado, as vezes pensamos que é uma coisa e derepente... deparamos com imensas disilusões.
 Tenho uma necessidade de fugir de tudo isso, me esconder e ficar encolhidinha sem falar nada nem com minguem, Tenho medo de enfrentar as pessoas e até de falar já não sou capaz.
 Meu marido é maravilhoso, sempre me colocando pra cima, mas sinto que sente o mesmo que eu. Que aquilo que fizemos não foi a melhor solução,
 ainda não temos filhos mas, se tivesse seria ainda mais complicado.
 Entro por vezes em desespero e me deixo ir a baixo. com um nó em minha garganta e uma vontade enorme de chorar e me esconder de todos, Sei que todos temos problemas e temos que encara-los, mas quando a coisa é connosco a coisa muda de figura"
  Obrigadissimo por me ouvir, e se poder me dar uma palavra amiga para acalmar meu coração, ficaria feliz.
 
ps: adoro-a e amo ve-la na tv, Acho-a divertidissima e muito bom astral. beijokas
patricia Miranda 
 
 
 
 
publicado por Luísa Castel-Branco às 20:07
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Terça-feira, 11 de Dezembro de 2007

O nossso segredo

 
 
Cara Luisa
 
Fui parar ao seu blog a propósito de uma busca que efectuei sobre o livro “O Segredo”.
Livro que acabei de ler e que achei interessante.
Enquanto o lia ia pensando que realmente somos Nós que fazemos a nossa vida e traçamos o nosso rumo.
Nos últimos anos decidi divorciar-me de uma vida em que não era feliz mas em que tinha tudo para ser feliz.
Tive medo muito medo. Medo de não conseguir adaptar-me a uma vida onde tinha que contar os cêntimos, medo que faltasse alguma coisa aos meus 3 filhos, medo de não conseguir pagar casa, medo de não conseguir comprar um carro familiar. O facto é que tive muito pouco tempo medo. A situação era urgente e tinha de reagir. Quando deixei de ter medo e passei a acreditar que ia conseguir. Os acontecimentos foram-se sucedendo de forma favorável e sempre no “timing” certo, encontrei uma casa melhor do que esperava poder pagar, encontrei o carro que melhor se adaptava às minhas necessidades.
Não apliquei qualquer técnica de visualização não apliquei qualquer técnica de pensamento (pelo menos consciente) mas simplesmente ACREDITEI que ia conseguir e FIZ por conseguir.
Hoje sou feliz com o que tenho e dou muito mais valor ao que tenho. E sempre que quero alguma coisa consigo-a porque ACREDITO que a vou conseguir.
Momentos menos bons tenho-os como todo o comum dos mortais. Aceito-os reflicto sobre eles e ultrapasso-os.
Não será o mal de todos nós? O não acreditar e desesperar ao primeiro problema?
 
publicado por Luísa Castel-Branco às 18:20
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Vox pop - E viva Campo de Ourique e as histórias felizes!

Fui lá armada em esperta. A intenção era saberm se aquelas mulheres que ali trabalhavam no Mercado de Campo de Ourique tinham sequer sabido da comemoração do Dia Internacional da Mulher.

E não é que todas, apenas uma excepção, tinham recebido presentes, eram casadas há mais anos do que imaginamos que ainda existam casamentos em Lisboa ?!

Toma lá Luísa para aprenderes!

posts recentes

Pois é, vem ai o Natal!

raquel disse sobre A dor ...

Ana Paula disse sobre Des...

Importa-se de repetir????...

Paula disse sobre Virgem ...

Sara disse sobre Virgem a...

Maria disse sobre Diário ...

Alexandra disse sobre DES...

sara disse sobre Negas a...

? disse sobre Diário de u...

Obrigada Maria

Negas ao sexo? Cuidado av...

Sobreviver a 2009

coisas q eu quero mudar e...

Sofia Diniz disse sobre A...

tags

todas as tags

arquivos

Dezembro 2011

Fevereiro 2010

Novembro 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

pesquisar

 
blogs SAPO

subscrever feeds