Domingo, 29 de Junho de 2008

Estamos aqui para a ajudar!

Ana disse sobre Será que una boa relação sexual vale tudo? no Sábado, 28 de Junho de 2008 às 00:22:


 

     

 

Boa noite Dª Luisa
Após não ter vindo aqui durante uns dois dias, fiquei bastante sensibilizada com o seu comentário, assim como com os outros que foram deixados e que li com muita atenção e agradeço também desde já.
Tudo o que li é tudo aquilo que eu penso, mas que faltava a coragem para fazer, digo faltava porque penso que hoje tive o ultimo "combate".
Faltava o Vosso empurrão, estou aqui a chorar baba e ranho e espero que consiga, que tenha forças para que tenha sido mesmo o ultimo.
Tenho vivido estes últimos tempos a tomar o que chamo comprimidos de paciência assim que pressinto que vamos discutir e cada vez mais sinto que me falta a memoria presente, estou com saudades dele e ainda não passou nem uma hora :(
Vou.me deitar obrigada e desculpe
Ana

 

Querida Ana,

Se todos nós, aqui neste cantinho fomos de alguma forma úteis para si, então bem haja a Net, os Blogs e a comunidade virtual!

É normal que esteja a chorar, que sinta um buraco no estômago e que tenha dormido mesmo muito mal.

É natural que estenda o braço e espere encontrar o corpo dele, o cheiro dele e de repente abra os olhos e se depare com a realidade.

Mas minha querida, se quiser ser verdadeira consigo mesma, só tem que se recordar dos muitos momentos em que esse homem a deitou a baixo, lhe retirou algo em vez de lhe dar.

Isso não é amor e a Ana merece mais, muito mais!

Depois, chorar faz bem. Limpa-nos a alma e não há razão para ter vergonha.

Como também não deve ter vergonha de se sentir completamente infeliz e perdida nos próximos tempos.

Mas, olhe para si ao espelho e veja quem é. Veja as marcas que ele lhe deixou porque quando nos magoam fica-nos registado no rosto e no coração.

Não desista e não se contente com pouco.

Venha a este cantinho que todos nós esperamos por si.

Um grande abraço,

 

Luísa

tags: , , ,
publicado por Luísa Castel-Branco às 10:02
link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De jose mendonça a 30 de Junho de 2008 às 06:09
Olá Luísa.

Quando gostamos de algo voltamos sempre a esse lugar. Este é o caso de volver e volver ao seu canto. Adorei saber que é das poucas pessoas que tem a coragem de dizer que é formada em coisa nenhuma. Normalmente todos tem grandes títulos; mas com muito poucos conhecimento. Sabem tudo a respeito de tudo inclusive do nada.

A primeira carta da Ana chocou-me, ao saber que ainda há neste mundo quem se serve e explora os sentimentos dos outros.
Hoje voltando ao seu canto vejo que a Ana tomou o caminho correcto, e mais vale agora do que mais tarde.
Nos os mais velhos nem só sabemos como temos a experiência que as grandes paixões são passageiras e no máximo não duram mais de 3 a 4 anos.
Há possibilidade de essas paixões se tornarem em amor, mas para isso é preciso uma grande dedicação de parte a parte, pois o amor é uma construção diária de respeito e honestidade uma entrega total, coisa que não sucedia no caso da Ana.
Diz ela que chora baba e ranho. Todas as ressacas são dolorosas ela esta a passar por uma mas o tempo que é o maior amigo do homem neste caso da mulher mais tarde lhe dara a felicidade de lhe mostrar que o caminho que estava a seguir não era o mais seguro.
Nesta fase tem de ter muita cautela, pois há quem possa ter o ego ferido e procura-a de volta com promessas que ela nesta fase de carência venha a acreditar, caindo num fosso ainda mais fundo do que o que anteriormente se encontrava.
Amanhã será outro dia e no voltar da esquina a Ana ira encontrar quem a respeite quem a ame sem lhe pedir nada em troca só pela felicidade de a amar.
A chave que encontrei para a minha felicidade foi receber os erros dos outros e ter o prazer de descobrir em neles as suas virtudes.
Um acto sexual sem amor mesmo sendo sexo por sexo nas pessoas honestas deixa-lhe a alma vazia



De Sofia N. a 10 de Julho de 2008 às 15:02
Caríssima Ana e Sr.ª D. Luísa,

Tenho uma história tão similar á sua que até me vieram as lágrimas aos olhos de ler o seu depoimento.
Vivi uma relação complicada, da qual surgiu a coisa mais linda da minha vida, o meu, pinguim com 20 meses neste momento.
Juntei-me com uma pessoa que me pareceu ser tudo o que queria num homem, conhecendo os seus defeitos e virtudes, mas desconhecendo uma barreira enorme, uma depressão de longa data, latente e prestes a explodir! Vivi uma fase muito complicada, na qual pensava em terminar a relação, pois nestes momentos de lucidez, percebia que não iria funcionar dentro daqueles moldes. Havia outros em que, através dos comprimidos da paciência , conseguia viver assim. Até que chegou o pior dia da minha vida, o dia em que perdi a paciência para o meu filho, na altura ainda bebé de colo! Consegui, capacidade inata e inútil na mulher, tem uma réstia de esperança e dei o meu tudo por tudo. Fiz das tripas coração para que aquele casamento funcionasse. Pus-me a mim de lado, suportei determinadas coisas, mas infelizmente o esforço foi só do meu lado. No outro lado não houve feedback algum! Confesso que demorei uns tempos a interiorizar que não iria funcionar, foi difícil , chorei "baba e ranho" como diz a D. Ana, estava perfeitamente incontrolável as crises de choro. Mas houve um dia em que pus o meu coração de lado e tomei a decisão comuniquei-lha e assim terminou um casamento. Eu digo que pus o coração de lado porque eu sempre amei aquele homem, e ainda hoje amo. Mas simplesmente não somos compatíveis , discutíamos constantemente, dizíamos coisas muito pouco agradáveis! Tudo isso marca e bem a nossa alma e o físico
Caríssima Ana, eu divorciei-me do homem que eu amo, do qual tinha uma dependência económica elevada e, claro, pai do meu filho. Só custa os primeiros dias, em que bate a saudade. Depois começa a crescer dentro de si um furacão de força e auto-estima e a D. Ana vai-se aperceber que de facto, não precisava do seu marido para nada, muito menos para ser feliz! Os dias vão passando, a ferida vai fechando aos bocadinhos muito pequenininhos, mas ela fecha!
Nunca pense que não é capaz de viver sem ele pois isso é o seu maior erro e a maior esperança dele! Todas somos capazes de tudo D. Ana, desde o mais belo, ao mais monstruoso. Avance sem medos e vai ver que é muito mais fácil do que se imagina!
[Error: Irreparable invalid markup ('<br [...] <a>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

Caríssima Ana e Sr.ª D. Luísa, <BR><BR>Tenho uma história tão similar á sua que até me vieram as lágrimas aos olhos de ler o seu depoimento. <BR>Vivi uma relação complicada, da qual surgiu a coisa mais linda da minha vida, o meu, pinguim com 20 meses neste momento. <BR>Juntei-me com uma pessoa que me pareceu ser tudo o que queria num homem, conhecendo os seus defeitos e virtudes, mas desconhecendo uma barreira enorme, uma depressão de longa data, latente e prestes a explodir! Vivi uma fase muito complicada, na qual pensava em terminar a relação, pois nestes momentos de lucidez, percebia que não iria funcionar dentro daqueles moldes. Havia outros em que, através dos comprimidos da paciência , conseguia viver assim. Até que chegou o pior dia da minha vida, o dia em que perdi a paciência para o meu filho, na altura ainda bebé de colo! Consegui, capacidade inata e inútil na mulher, tem uma réstia de esperança e dei o meu tudo por tudo. Fiz das tripas coração para que aquele casamento funcionasse. Pus-me a mim de lado, suportei determinadas coisas, mas infelizmente o esforço foi só do meu lado. No outro lado não houve feedback algum! Confesso que demorei uns tempos a interiorizar que não iria funcionar, foi difícil , chorei "baba e ranho" como diz a D. Ana, estava perfeitamente incontrolável as crises de choro. Mas houve um dia em que pus o meu coração de lado e tomei a decisão comuniquei-lha e assim terminou um casamento. Eu digo que pus o coração de lado porque eu sempre amei aquele homem, e ainda hoje amo. Mas simplesmente não somos compatíveis , discutíamos constantemente, dizíamos coisas muito pouco agradáveis! Tudo isso marca e bem a nossa alma e o físico <BR>Caríssima Ana, eu divorciei-me do homem que eu amo, do qual tinha uma dependência económica elevada e, claro, pai do meu filho. Só custa os primeiros dias, em que bate a saudade. Depois começa a crescer dentro de si um furacão de força e auto-estima e a D. Ana vai-se aperceber que de facto, não precisava do seu marido para nada, muito menos para ser feliz! Os dias vão passando, a ferida vai fechando aos bocadinhos muito pequenininhos, mas ela fecha! <BR>Nunca pense que não é capaz de viver sem ele pois isso é o seu maior erro e a maior esperança dele! Todas somos capazes de tudo D. Ana, desde o mais belo, ao mais monstruoso. Avance sem medos e vai ver que é muito mais fácil do que se imagina! <BR><BR class=incorrect name="incorrect" <a>ÁHH</A> !!! A propósito, estou curiosa com a sua idade, será que era demasiada indiscrição saber esse número? Eu no momento tenho 27, estou separada á 5 meses! <BR><BR>Cumprimentos para todas e todos, e um abraço sentido de compaixão para a D. Ana!


Comentar post


Vox pop - E viva Campo de Ourique e as histórias felizes!

Fui lá armada em esperta. A intenção era saberm se aquelas mulheres que ali trabalhavam no Mercado de Campo de Ourique tinham sequer sabido da comemoração do Dia Internacional da Mulher.

E não é que todas, apenas uma excepção, tinham recebido presentes, eram casadas há mais anos do que imaginamos que ainda existam casamentos em Lisboa ?!

Toma lá Luísa para aprenderes!

posts recentes

Pois é, vem ai o Natal!

raquel disse sobre A dor ...

Ana Paula disse sobre Des...

Importa-se de repetir????...

Paula disse sobre Virgem ...

Sara disse sobre Virgem a...

Maria disse sobre Diário ...

Alexandra disse sobre DES...

sara disse sobre Negas a...

? disse sobre Diário de u...

Obrigada Maria

Negas ao sexo? Cuidado av...

Sobreviver a 2009

coisas q eu quero mudar e...

Sofia Diniz disse sobre A...

tags

todas as tags

arquivos

Dezembro 2011

Fevereiro 2010

Novembro 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

pesquisar

 
blogs SAPO

subscrever feeds