Segunda-feira, 16 de Novembro de 2009

Alexandra disse sobre DESAFIO Nº 20 – SOBREVIVER Às FÉRIAS

 


     
 
Olá Luísa... Antes demais queria dar-lhe os parabéns por cada crónica... Consegue com que fique colada ao ecrã a ler cada palavra sensata que publica... Em relação a esta começaria o meu comentário com... Dramática?! Nada disso apenas realista, também eu faço parte dessa percentagem de mulheres que se "separou" após umas férias... No meu caso nada tem a ver com levar crianças atrás, aliás somos jovens e achei que nada poderia correr mal... Mas enganei-me, não sei se por culpa minha como ele diz, mas o certo é que estamos à beira da ruptura... Se calhar somos nós mulheres que ganhamos expectativas demais e depois nada correr como gostaríamos, mas o certo é que para além da grande pressão que se vive diariamente, havia um grande conjunto de coisas que esperava dele e nada disso aconteceu bem pelo contrario... Passei os dias a desejar o regresso a Lisboa e afastar-me dele para poder pensar em mim... Nada disso ele compreendeu, aliás culpou-me pelas coisas não terem dado certo, disse-me que não consegui deixar o trabalho cá, que não consegui divertir-me, que não consegui viver as férias... Se calhar até tem razão fui egoísta mas acho que a culpa nunca é só de uma parte... Agora quando li o escreveu identifiquei-me com cada palavra, mas continuo sem saber o que fazer relativamente à nossa relação... Foi a primeira vez que alugamos um apartamento para as férias, claro que é necessário cozinhar, limpar, arrumar coisas básicas de um dia a dia onde não houve colaboração, e para quem prometia mundos e fundos muito foi o que ficou por cumprir... Fiquei triste com a atitude dessa semana e muito foi o que pus em causa... E agora continuo aqui com as minhas duvidas sem saber muito bem que rumo dar às coisas... Beijinhos
menos
Alexandra,
Tem razão, a culpa nunca é de um lado só.
Ao ler o seu comentário veio-me à cabeça algo que ando a dizer há muito tempo.
Alguém devia avisar os casais que os primeiros tempos em comum são terríveis!
Seja casamento ou união de facto, a verdade é que mal se juntam os trapinhos e os chinelos por de baixo da cama tudo muda.
Quando as mulheres eram apenas um elemento passivo, esta realidade era ainda pior.
Mas passar do namoro à coexistência a dois é realmente muito difícil.
Foi o que lhe aconteceu, mesmo que só durante um período de férias.
Cada um de nós leva para essa convivência de 24 horas a sua própria realidade. E sim, eles são diferentes, irritantes e precisam de ser ensinados.
E sim, nós somos a maior parte das vezes fanáticas da limpeza e organização, perdemos a cabeça com a roupa pelo chão e a maldita tampa da sanita para cima.
Mas o que importa é o resto.
A melhor forma de aferir o amor, querida Alexandra, é imaginar que de repente, por exemplo por uma razão de doença, ou imagine que perdia alguém da família que ama, quem queria ter a seu lado.
Se essa pessoa é o seu namorado, então minha querida, invista nele e em si.
Vai valer a pena limar as arestas e depois, se chegar à conclusão de que é impossível o viver a dois, bom, pelo menos você tentou.
O amor não aparece todos os dias.
Um abraço,
publicado por Luísa Castel-Branco às 12:00
link do post | comentar | favorito
3 comentários:
De Marta a 18 de Novembro de 2009 às 12:35
Luisa
A minha admiração por isso cresce de dia para dia.
Parece-me que neste mundo real ou virtual é necessário a existencia de alguém sensato em determinadas circunstancias.
Ora a Sara que me desculpe mas concordo com as palavras da Luisa.
A traição não é justificada por um descurar da vida sexual.Quem ama faz de tudo para não magoar o outro, e sim o sexo é fundamental, mas não é o mais importante.
Onde fica o respeito, o carinho, o cuidado parA com o companheiro/a?
"Quem nos faz mal não nos merece"


De Ana Paula Fernandes a 24 de Novembro de 2009 às 00:13
D.Luisa
Só lhe queria dar os parabéns pelos seus livros que ADOREI!!
Obrigada pela boa leitura que me proporciona.
Ana Paula Fernandes


De Ana Filipa Oliveira a 26 de Novembro de 2009 às 17:34
Confesso que este texto inquietou-me. E a ele fiz um link com a violência doméstica, a psicológica. Só há pouco tempo é que me dei conta dessa realidade. Tudo o que nos faz diminuir a nossa auto-estima poderá ser considerado violência psicológica. E volto ao que aqui foi escrito, sublinhando o que me fui perguntando desde a primeira leitura deste post: "se me acontecesse algo fatídico, quem é que eu queria ao meu lado? Era agradável ter a companhia do meu companheiro? Era isso que eu quereria?" Um excelente termómetro da relação. Mais uma vez, agradecida pelas suas palavras partilhadas.


Comentar post


Vox pop - E viva Campo de Ourique e as histórias felizes!

Fui lá armada em esperta. A intenção era saberm se aquelas mulheres que ali trabalhavam no Mercado de Campo de Ourique tinham sequer sabido da comemoração do Dia Internacional da Mulher.

E não é que todas, apenas uma excepção, tinham recebido presentes, eram casadas há mais anos do que imaginamos que ainda existam casamentos em Lisboa ?!

Toma lá Luísa para aprenderes!

posts recentes

Pois é, vem ai o Natal!

raquel disse sobre A dor ...

Ana Paula disse sobre Des...

Importa-se de repetir????...

Paula disse sobre Virgem ...

Sara disse sobre Virgem a...

Maria disse sobre Diário ...

Alexandra disse sobre DES...

sara disse sobre Negas a...

? disse sobre Diário de u...

Obrigada Maria

Negas ao sexo? Cuidado av...

Sobreviver a 2009

coisas q eu quero mudar e...

Sofia Diniz disse sobre A...

tags

todas as tags

arquivos

Dezembro 2011

Fevereiro 2010

Novembro 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

pesquisar

 
blogs SAPO

subscrever feeds