Sábado, 19 de Abril de 2008

A familia e o doente de AVC

 
Boas tardes cara Luísa,
 
Sou uma mulher de 41 anos e tenho 2 filhos maravilhosos. O meu marido sofreu um AVC (hemorrágico) no dia 20 de Setembro de 2006.
Ao contrário do que é comum nestes casos sobreviveu, reforçando a minha fé e fazendo-me acreditar na vida.
Porque a situação económica permitiu e porque o meu marido investiu nisso, a recuperação motora foi excelente.
Infelizmente a recuperação psicológica/emocional não tem acompanhado a recuperação física...
Ficou sexualmente afectado e já sei que isso o impede de sentir-se feliz.
O problema tal como eu o vivo e sinto é de que começo a ter dificuldades de lidar com o pessimismo e a negatividade permanente que o meu marido tem com a vida e com o mundo que o rodeia.
Anda a ser acompanhado pelo psicólogo, sei que isto é demorado, mas a verdade é que me sinto cansada e muito gasta.
Sei por ele do seu programa na TV sobre AVC e de que foi focado o problema da família.
O meu filho mais novo diz que está farto do pessimismo do pai e a mais velha está muito revoltada pela sobrecarga a que tenho estado submetida.
Preciso de acreditar que ainda é possível sermos uma família feliz, mas a verdade é que neste momento preciso de uma ajudasita ”.
Obrigada pelo tempo que dispôs a ler este “desabafo”.
Um abraço e a minha admiração.
 
Minha Cara,
Não sei que idade tem o seu marido, e embora o AVC esteja hoje a atingir  pessoas cada vez mais novas, este é um dado importante para a nossa conversa.
Mas, partindo do principio que ele está em idade para uma vida activa sexual normal, então, é provável que o problema venha do foro psicológico , isto é, que seja uma consequência do AVC , juntamente com o tal pessimismo e negatividade que menciona.
Hoje em dia os médicos já reconhecem que após um AVC existe uma enorme incidência de casos de depressão.
E , uma vez passada esta fase, haverá que perceber o que  se alterou na personalidade.
Estando ele a ser seguido por um profissional desta área, parece-me que quem deveria recorrer a ajuda especializada era a minha amiga, e mais tarde, se possível , uma terapia familiar.
Quem passou por esta experiência sente revolta e medo. E não passa com os dias e os anos.
Não é justo mas vai necessitar de paciência e mais paciência e não hesite em recorrer a um técnico, porque se você se for abaixo, a casa desaba consigo!
Quer queiramos ou não é este o papel da mulher!
 
 
 
publicado por Luísa Castel-Branco às 21:41
link do post | comentar | favorito

Vox pop - E viva Campo de Ourique e as histórias felizes!

Fui lá armada em esperta. A intenção era saberm se aquelas mulheres que ali trabalhavam no Mercado de Campo de Ourique tinham sequer sabido da comemoração do Dia Internacional da Mulher.

E não é que todas, apenas uma excepção, tinham recebido presentes, eram casadas há mais anos do que imaginamos que ainda existam casamentos em Lisboa ?!

Toma lá Luísa para aprenderes!

posts recentes

A familia e o doente de A...

tags

todas as tags

arquivos

Dezembro 2011

Fevereiro 2010

Novembro 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

pesquisar

 
blogs SAPO

subscrever feeds