Quarta-feira, 24 de Setembro de 2008

Sobreviver a nós mesmas

Liliana disse sobre DESAFIO Nº 20 – SOBREVIVER Às FÉRIAS na Quinta-feira, 18 de Setembro de 2008 às 18:28:

     

 

Acabaram as supostas férias e agora já só penso no Natal....
As férias foram um fracasso devido ao tempo que esteve e porque não pude ir para as Caraíbas...local que tanto aprecio mas só vou de 2 em 2 anos....ou seja este é um ano NÃO. Aquele sentimento de que gostaríamos de ter feito algo que não fizemos, a melancolia de voltar ao trabalho e ver os dias a passar e fazer contagem decrescente tipo "morte súbita" arruínam quaisquer férias com ou sem crianças, famílias numerosas ou casais apaixonados. Tudo porque a vontade de não estar aqui é tanta, a esperança é a última a morrer e até ao ultimo dia de trabalho acreditar que as Caraíbas ainda me iam ver este ano arruinou as minhas férias. Agora procuro consolo no calendário a pensar no Inverno, na nova colecção out inv , na decoração de Natal que já deve estar nas lojas no próximo mês...(não vá o Natal chegar mais cedo)...toda a preparação e misticismo que é a época mais bonita do ano, tudo isto ajuda a esquecer o fracasso das férias e criar mais expectativas , que em Janeiro, certamente a Luísa irá questionar os seus leitores sobre a desilusão ou maravilha que poderá ser o nosso Natal.

 

Liliana,

Minha cara, não me convence com essa história das Caraíbas!

Quer dizer, eu até acredito que a sua infelicidade se prenda com não ter podido realizar esssa viagem de sonho mas...

E aqui é que a porca torce o rabo como diz o povo!

Afinal, como foram mesmo as suas férias?

Esteve só ou acompanhada? Familia ou Amigos?

O que é mais importante, as Caraibas sozinha ou a Costa da Caparica acompanhada por quem amamos?

E o seu trabalho qual é? Ou reformulando a minha pergunta, o que gostaria de fazer que não faz?

Sabe minha querida, muitas vezes o que não dizemos mas transparece nas entrelinhas é bem mais importante do que o dizemos/escrevemos, porque está escondido no nosso sub-consciente e ai reside verdadeiramente as questões que nos incomodam, nos doem.

Tem razão, o Natal é a mais bonita epoca do ano.

Se por acaso você não pertencer aquele largo grupo dos meus, dos teus e dos nossos, com várias sogras e o dinheiro que não chega!

FIco aqui ansiosa pela sua resposta.

Um abraço,

publicado por Luísa Castel-Branco às 11:32
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Terça-feira, 15 de Julho de 2008

O verdadeiro sofrimento

 

Ex.ma Senhora
 
Sou uma pessoa com cinquenta anos e desde os quarenta que sofro de uma doença sem cura. Tenho vivido momentos, tal como outros de sofrimento violento tendo passado grande parte desse tempo no hospital dadas as características da doença que vai fazendo estragos até à hora do nascimento ou da doença. Ultimamente tenho lutado duramente contra o que ela é capaz tendo até publicado um livro “A Pétala Negra e a Esperança”.
Neste momento sinto necessidade de conversar com alguém sobre algo que se passa comigo que é o seguinte:
 
Tenho momentos em que me sinto bem e simultaneamente momentos em que me sinto mal.
 
Será que tudo isto se deve ao facto da Lei da atracão de pólos opostas e pensamentos diferentes colidem?
Outro facto importante, é que o esforço que tenho vindo a fazer para evitar as confusões que antes havia, de nada vale pois nada que seja dito por mim faz sentido segundo eles. Querem que seja igual ao que era aos 40 anos. De nada vale o esforço apesar de terem toda a liberdade não fazendo tão pouco reconhecimento da minha evolução que penso positiva.
 
Daí a necessidade de poder conversar com alguém.
 
Obrigado!
Desculpe o incómodo!
 
Meu Caro,
Não é incomodo nenhum, bem pelo contrário.
Daquilo que me apercebo do seu texto, a doença que há dez anos o atacou deve ser extremamente demolidora, física e psiquicamente.
Percebo quando fala nos seus momentos alternados de boa e má disposição. Mas na verdade, estou a ser arrogante ao dizer que percebo quando o que deveria escrever é que creio entender e nada mais.
Apenas quem sofre pode falar do sofrimento.
Todos nós que tentamos consolar, apoiar, enfim, estar ao lado de quem padece apenas podemos ter a imagem da dor e nada mais.
Não sei se será a lei da atracção de pólos opostos, ou simplesmente algo que permanece dentro de nós e nos agarra à vida, e ás pequenas coisas que por momentos nos fazem sorrir. E depois vem a realidade.
E nessa realidade insere-se a vontade das pessoas que o rodeiam de que volte a ser quem era antes.
Todos queremos fugir do sofrimento, todos temos medo da morte e no nosso subconsciente vive o fantasma do relógio gigante que o universo tem guardado para cada um de nós, como se o nosso dia e hora estivesse há muito destinado.
Só você pode saber o que sente, e como lidar com esta nova realidade que a doença lhe trouxe.
E os seus esforços que lhe parecem passar despercebidos aos outros, só levam quem o ama a querer mais, a querer ter de volta a pessoa que já foi.
É com arrogância que comparo a minha experiência de vida com a sua, eu sei, mas são já muitos os anos em que a falta de saúde, por múltiplas razões é uma sombra constante na minha vida.
E aprendi que não há grande espaço de partilha.
Os outros, os que realmente me amam, a esses não quero ver sofrer ou preocuparem-se comigo, quando aos amigos, ah! a vida é curta e o medo do fim é muito grande!
Volte sempre e continue a lutar e a fazer progressos.
publicado por Luísa Castel-Branco às 08:57
link do post | comentar | favorito

Vox pop - E viva Campo de Ourique e as histórias felizes!

Fui lá armada em esperta. A intenção era saberm se aquelas mulheres que ali trabalhavam no Mercado de Campo de Ourique tinham sequer sabido da comemoração do Dia Internacional da Mulher.

E não é que todas, apenas uma excepção, tinham recebido presentes, eram casadas há mais anos do que imaginamos que ainda existam casamentos em Lisboa ?!

Toma lá Luísa para aprenderes!

posts recentes

Sobreviver a nós mesmas

O verdadeiro sofrimento

tags

todas as tags

arquivos

Dezembro 2011

Fevereiro 2010

Novembro 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

pesquisar

 
blogs SAPO

subscrever feeds