Segunda-feira, 27 de Outubro de 2008

O Derradeiro Desafio – Nós, As Mulheres

 

Se existe algo que a vida nos ensina, posso garantir-vos, é que queiramos ou não, nós as mulheres estão condenadas a ser responsáveis pelas relações que temos ao longo da vida.
Eu sei que é dramático e injusto, mas não deixa de ser verdadeiro.
Assim, minhas amigas, não vale a pena culpar as nossas mãezinhas, as sogras, as miúdas boazonas, a crise, enfim, podemos ir buscar o que quisermos porque o que realmente interessa é apenas uma coisa. O QUE QUEREMOS NÓS DA VIDA.
Depois, é pegar nesses sonhos que em tempos tivemos e trabalha-los ao longo da vida, sem descanso, sem fins-de-semana ou férias, numa tarefa árdua.
Porque a relação com o nosso parceiro/os, minhas queridas, é unicamente o que fazemos dela.
Não existem homens ideais, como não existe um só homem que não reaja por reflexo ou obrigação.
Vamos aos exemplos práticos:
Todas acreditamos que conseguimos mudar o homem por quem nos apaixonamos.
Primeiro erro: Eles não mudam, apenas sobrevivem, numa ancestral capacidade de se adaptarem o melhor possível às situações, de forma a terem o mínimo de problemas.
Quer tenhamos 20 anos ou 50, vivemos na expectativa de que o nosso homem nos entenda, nos surpreenda, nos faça sentir únicas e amadas por todas as razões e por razão nenhuma.
Segundo erro: Eles apenas reagem, não agem e quando o fazem é porque outra os obrigou a tal. Portanto, se quer que ele se lembre daquelas datas importantes, de a surpreender, etc. e tal, prepare você mesmas as coisas e finja que a ideia veio dele. Resulta e evita o desgaste e as lágrimas.
Se vivemos com alguém, esperamos que ele seja não uma “ajuda” mas um parceiro em todas as circunstâncias.
Terceiro erro: Os homens, mal comparados, são como os cães
Apenas cumprem o estritamente necessário para evitar que a dona o chateie. Não pense que o que a espera é mais do que isto e trate-o como a criança que ele será a vida inteira.
4ºO meu marido é um óptimo pai!
Quarto erro: se por acaso se separarem você vai perceber que afinal, ele limitava-se a abanar com a cabeça e a concordar consigo.
 
Se por acaso ele tiver mais filhos de outra relação, todo o grande amor passa para esses, até aparecer mais uma mulher no caminho. Eles amam mas...na medida em que são capazes
O amor e o sexo andam de mãos dadas, e se ele é infiel é porque não me ama.
Quinto erro: Efectivamente os homens, tal como os outros machos, não copulam por sentimos afectivos. Apenas acontece que por vezes as duas situações se unem. Qualquer homem diz abertamente, se não tiver a respectiva ao lado, que sexo e amor são coisas distintas. Por isso a decisão face a uma situação destas, é mais uma vez sua.
Os jovens de hoje não são nada assim!
Sexto erro: Pois não meninas, são piores! Andam aterrorizados com a independência feminina, têm uma oferta excedentária e não se querem comprometer antes dos quarenta! Ou então decidem dar o nó e é só ver o número de divórcios em casamentos com apenas dois anos!
Conheço muitos casais felizes e casados há imenso tempo.
Sexto erro: Como diz o povo, “só sabe do convento quem lá está dentro”! Mas na verdade existem casamentos felizes. São exactamente aqueles em que as mulheres aprenderam a conduzir a carruagem e a saber apreciar o resultado, sem dramas.
Para aguentar isto tudo, estou melhor sozinha!
Oitavo erro: Minhas amigas, “quem só se veja, quem só se deseja”!
Se você gosta realmente de estar só, então tudo bem mas se não, não me diga que vai desistir da vida só porque é difícil!
Todas nós escorregamos, caímos e depois...temos que nos levantar!
É junto dos amigos que encontro com quem falar e partilhar.
Nono erro: Pois, não estou a por em causa que a verdadeira amizade existe, mas para começar, qualquer homem lhe pode explicar (se quisesse) que a amizade entre macho e fêmea tem sempre uma componente sexual, por parte deles pelo menos.
Quanto às amigas, bem, não querendo ser ainda mais cruel do que até agora, com raríssimas excepções as mulheres vivem em competição umas com as outras, e isto significa que quando chega o momento, saltam para o outro lado.
Se não acredita, olhe para as divorciadas e veja como de repente, deixam de ser bem-vindas em todas as casas!
10º Nunca serei feliz porque ele não me ama!
Décimo erro: Deixe-se de tretas! Já lá vai o tempo em que se morria por amor!
Uma vez mais, É VOCÊ QUEM DECIDE!
Se quer viver o resto da vida a fazer de vítima e a chorar pelos cantos, enquanto ele vai gozando a vidinha dele, então vá em frente.
Mas perceba que a decisão é sua. Você pode esquece-lo.
Até pode acontecer não voltar a encontrar alguém que ame dessa forma mas, se aprendeu alguma coisa, vai ter mais cuidado e principalmente, vai ser esperta em vez de inteligente!
 
Conclusão:
Quando tiver o coração partido por alguém, pense em quem sofre numa cama do hospital sem esperança.
Pareço-lhe ridícula? Pois mais ridículo é deixarmos a nossa felicidade nas mãos de um homem!
Note que os homens são geralmente muito melhores seres humanos do que nós.
São mais puros, mais simples, mais...
O que cada uma de nós tem que fazer é decidir se aquele que está ao nosso lado, ou a queremos ao nosso lado vale a pena.
E a partir daqui, é ir em frente.
Porque, quando amamos e somos amadas, naqueles momentos mais difíceis da vida, quando a idade nos pesa, posso garantir-vos que o investimento valeu a pena!
 
E NÃO SE ESQUEÇAM, TENHAM UMA BOA VIDA!
 
 
tags: ,
publicado por Luísa Castel-Branco às 10:21
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Terça-feira, 8 de Abril de 2008

Viva o pessoal do Sapo!

Olá Luísa
Não sei se irá receber esta minha carta mas gostava que lesse.
Não é para me tornar importante mas gostava que tivesse mais este testemunho.
Ah! Esqueci-me de dizer que se tiver a bondade de saber mais alguma coisa acerca de mim estou no hi5.
Um beijo grande
 
Começo por lhe tecer todos aqueles elogios a que está por demais habituada mas que no fundo são a verdade: que adoro a sua maneira de estar, ou seja, de ver as coisas, de falar sem rodeios mas sabendo muito bem o que diz e não digo que a amo porque não é bem assim. Admiro-a e muito e estas palavras, penso, dir-lhe-ão tudo.
Minha Mãe dizia que quem é não precisa de mostrar.
E realmente consigo assim é. ´E igual a si mesma!
Bom então vou-lhe contar como ao longo da vida me levantei mas  contando também com o factor sorte a ajudar.
Considero-me uma pessoa de sorte, sabe?!
Há imensas pessoas que me dizem para escrever um livro sobre a minha vida porque eu tenha 63 anos e tive uma juventude já muito à frente. Tinha um pai muito conservador mas por outro lado uma Mãe brasileira e toda a minha genética passou desse lado materno.
Tive uma liberdade no género de ir ao cinema meio sozinha (porque me iam buscar e levar) mas as minhas amigas nem podiam pensar numa coisa dessas e também com 16 anos (naquele longínquo dia do estudante) fui à boleia para Lisboa com uma amiga alemã e mais três amigos, com ordem de meus pais claro.
Senti-me sempre muito desenraizada mas só há poucos anos é que descobri porque os meus amigos e amigas sempre diziam: Lekas tu és diferente e por isso todos te admiramos.
Ora eu, como boa adolescente que era, em vez de ficar contente apanhei um complexo de inferioridade tremendo(no meu tempo chamava-se assim agora chama-se crise de identidade).
Depois aos 18 anos arranjei um namorado com quem casei, que era tão ciumento que eu nem sequer podia ir à porta para atender o padeiro. (olhe que tudo isto é verdade. Não duvide mesmo que lhe pareça incrível).
Então também, como menina bem do meu tempo, achei que o melhor era casar porque estava farta de viver com os pais. Fiquei noiva em Maio, no dia que fazia 20 anos, em Julho casei, em Setembro engravidei e em Fevereiro enviuvei. Pode imaginar…
Quatro anos após e depois de muitos disparates que me trouxeram por vezes sustos, tornei a casar.
De novo um homem muito ciumento e que ainda hoje me chateia, com muitas qualidades mas com defeitos para mim horrorosos como gritos, discussões, apertões e pescoço, ameaças com facas e etc.
Tive mais três filhos e mais o mais velho que dizem coisas como – a minha Mãe é tola de todo, não mete a roupa toda na mala ou como ontem me dizia a minha  filha – a Mãe é única. Ninguém tem uma Mãe como nós. Isto é maravilhoso mas o pior é que eu sou mesmo tola e também sou apelidada de Madre Teresa ou confessionário pelos amigos.
Mas também tenho defeitos, claro está.
Acredita em astrologia? Eu sou macaco gémeos o que faz uma dupla de meter medo ao susto. Dizem os livros…
Mas voltando ao 2º casamento. Um dia aos 17 anos de casamento fugi cheia de medo depois de ser muitas vezes ameaçada de que deitaria fogo à casa quando eu estivesse a dormir ou de ser ameaçada durante um ano e meio de morrer a meio da noite porque dormia com um x – ato debaixo da almofada. Ainda hoje não estou à vontade perante um objecto desses e já lá vão 20 anos.
Depois de muitas peripécias, correrias atrás de mim com pistola (que afinal estava estragada), perseguições de carro, pancadarias de ir parar ao hospital, etc, um dia deu-me uma coisinha má e dei-lhe uma tareia que, segundo uma amiga minha que estava no Instituto de Medicina Legal, parecia o sudário de Cristo. Sim porque o tolo foi fazer queixa e, claro, foi gozado quando pensava que estava a fazer uma grande coisa.
Claro foi óptimo o factor espanto pois senão fosse isso mandava-me um murro que eu voava. Mas assim não aconteceu. Sorte a minha…
Então mudei de vida.
E então passado dois anos apareceu o meu Manel na minha vida.
Eu digo sempre que Deus fez o Manel para me fazer feliz. Quando ele nasceu Deus disse-lhe: Olha vais aturar uma mulher de quem vais gostar muito mas primeiro ela tem que passar por umas coisitas más para ver se merece o teu amor.
E sabe porquê? O Manel é mais novo que eu 14 anos e já estamos juntos há 17. Ele ama-me muito e os meus filhos dizem coisas como isto: O Manel só mesmo tu para aturares esta mulher ou oh Manel tens que amar muito a minha Mãe.
Ao fim de tantos anos e quando nos perguntam: Não percebemos porque vocês já viajaram tanto e nunca foram ao Brasil. E sabe o que o Manel diz. Não irei nunca ao Brasil porque eu tenho a certeza que a Lekas queria lá ficar e eu amo-a demasiado para ficar sem ela.
Não é uma história deliciosa?
Claro que só estão as coisas que mais marcaram a minha vida porque o resto olhe ….
Hoje sou uma mulher muito feliz
 

 
Pois peço desculpa aos leitores deste espaço, e claro à Lekas.
Creio já ter publicado este comentário mas , têm que compreender que se não fosse a minha boa jovem amiga Rita Serrano, do Sapo, e eu não atinava com isto!
Hoje estive ao telefone com ela, pela décima vez, talvez, para a pobre me tornar a explicar como colocar fotos no blog!
Mas, pelo sim pelo não aqui fica a vida da Lekas que não precisa de comentários meus.
A não ser, e não resisto a fazê-lo, perguntar-lhe porque raio é que depois do que li, ela me admira a mim?!

tags:
publicado por Luísa Castel-Branco às 17:23
link do post | comentar | favorito

Vox pop - E viva Campo de Ourique e as histórias felizes!

Fui lá armada em esperta. A intenção era saberm se aquelas mulheres que ali trabalhavam no Mercado de Campo de Ourique tinham sequer sabido da comemoração do Dia Internacional da Mulher.

E não é que todas, apenas uma excepção, tinham recebido presentes, eram casadas há mais anos do que imaginamos que ainda existam casamentos em Lisboa ?!

Toma lá Luísa para aprenderes!

posts recentes

O Derradeiro Desafio – Nó...

Viva o pessoal do Sapo!

tags

todas as tags

arquivos

Dezembro 2011

Fevereiro 2010

Novembro 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

pesquisar

 
blogs SAPO

subscrever feeds